03/07/2019

Qual é a idade dos seus órgãos?

Redação do Diário da Saúde
Qual é a idade dos seus órgãos?
Imagem isotópica de diferentes células dentro de uma ilhota de Langerhans dentro do pâncreas. As células mais antigas têm um esquema de cores de amarelo a rosa, enquanto as células mais jovens exibem um padrão de cores de azul para verde.
[Imagem: Salk Institute]

Quanto tempo vivem as células

Os cientistas acreditavam que os neurônios, ou possivelmente as células do coração, eram as células mais antigas do corpo humano.

Agora, pesquisadores do Instituto Salk (EUA) descobriram que o cérebro, o fígado e o pâncreas contêm populações de células e proteínas com uma expectativa de vida extremamente longa - algumas tão antigas quanto os neurônios.

"Ficamos surpresos ao descobrir estruturas celulares essencialmente tão velhas quanto o organismo em que elas residem," detalhou o professor Martin Hetzer. "Isso sugere uma complexidade celular ainda maior do que imaginávamos anteriormente e tem implicações intrigantes sobre como pensamos sobre o envelhecimento de órgãos como cérebro, coração e pâncreas".

A maioria dos neurônios no cérebro não se divide durante a idade adulta e, portanto, experimenta uma longa vida útil e o declínio relacionado à idade. Como os pesquisadores sabiam que a maioria dos neurônios não é substituída durante a vida, eles os utilizavam como uma "linha de base de idade" para comparar outras células que não se dividem mais.

No entanto, em grande parte devido a limitações técnicas, a vida útil das células fora do cérebro era difícil de determinar.

Para superar essa deficiência, a equipe combinou a rotulagem de isótopos eletrônicos com um método de imagem híbrido (MIMS-EM) para visualizar e quantificar a idade e a reciclagem de células e proteínas no cérebro, pâncreas e fígado em modelos jovens e velhos de roedores. Para validar seu método, os cientistas primeiro determinaram a idade dos neurônios e descobriram que, como se esperava, eles eram tão antigos quanto o organismo.

Surpreendentemente, no entanto, as células que revestem os vasos sanguíneos, chamadas células endoteliais, também eram tão antigas quanto os neurônios. Isso significa que algumas células não neuronais não se replicam ou não são substituídas ao longo da vida.

Pâncreas

O pâncreas, um órgão responsável por manter os níveis de açúcar no sangue e secretar enzimas digestivas, também apresentou células de diferentes idades. Uma pequena porção do pâncreas, conhecida como ilhotas de Langerhans, parece um quebra-cabeça de células jovens e velhas interconectadas.

Algumas células beta, que liberam insulina, se replicaram durante toda a vida e eram relativamente jovens, enquanto algumas não se dividiram e eram de longa duração, semelhantes aos neurônios. Ainda outro tipo de célula, chamado de células delta, simplesmente não se dividiu.

O pâncreas foi um exemplo impressionante de mosaicismo de idade, isto é, uma população de células idênticas que se distinguem pela sua expectativa de vida.

Fígado

Estudos anteriores sugeriram que o fígado tem a capacidade de se regenerar durante a idade adulta, mas a grande maioria das células hepáticas nos camundongos adultos saudáveis era tão antiga quanto o animal, enquanto as células que revestem os vasos sanguíneos e as células estreladas, outro tipo de célula do fígado, têm vida mais curta.

Assim, inesperadamente, o fígado também demonstrou o mosaicismo de idade, que aponta potenciais novos caminhos de pesquisa regenerativa para este órgão.

"Determinar a idade das células e estruturas subcelulares em organismos adultos fornecerá novos insights sobre a manutenção da célula e mecanismos de reparo e o impacto das mudanças cumulativas durante a vida adulta na saúde e no desenvolvimento de doenças,", acrescentou Hetzer. "O objetivo final é utilizar esses mecanismos para prevenir ou retardar o declínio relacionado à idade de órgãos com renovação celular limitada".


Ver mais notícias sobre os temas:

Biologia

Rejuvenescimento

Terceira Idade

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2019 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.