18/03/2019

O futuro do bem-estar da sociedade não está na economia

Redação do Diário da Saúde
O futuro do bem-estar da sociedade não está na economia
Inúmeras pesquisas confirmam que dinheiro não compra felicidade. É certo que todos precisam de uma renda mínima para sobreviver dignamente, mas a felicidade aparece junto com pessoas, não com coisas.
[Imagem: Debra Bolgla]

Ter versus ser

Fatores não materiais, como apoio social, liberdade e justiça, terão um papel maior do que o dinheiro ou os fatores econômicos no bem-estar futuro das pessoas.

Esta é a conclusão de uma pesquisa global de bem-estar cujo objetivo foi projetar como estarão os níveis de felicidade mundial em 2050.

A conclusão é que, para melhorar ao máximo o bem-estar das pessoas nas próximas décadas, os formuladores de políticas devem olhar além dos cálculos econômicos e priorizar os fatores não materiais ao tomar grandes decisões.

"Políticas de longo prazo que são excessivamente focadas no crescimento econômico terão efeitos limitados no bem-estar," disse Christopher Leigh, da Universidade McGill (Canadá). "Se o bem-estar humano é o principal objetivo dos governos, seus recursos seriam mais bem gastos com base no que realmente importa para a experiência humana."

Indicadores econômicos e indicadores sociais

Os pesquisadores projetaram um modelo estatístico que combina dois conjuntos de medidas.

O primeiro conjunto inclui os indicadores objetivos materiais tradicionais, incluindo o PIB per capita e a expectativa de vida.

O segundo conjunto envolve indicadores sociais, conforme medidos na Pesquisa Mundial Gallup nos últimos anos. Esses indicadores incluem a liberdade de escolher o que fazer com a própria vida, níveis percebidos de corrupção do governo e dos negócios, prevalência de doações e disponibilidade de apoio social informal.

Os dados da pesquisa global mostram que, em uma escala de zero a 10, os entrevistados, em média, avaliaram seu próprio bem-estar em 5,24 em 2016.

Investimentos no tecido social

Os pesquisadores então usaram mudanças observadas nos dados de 2005 a 2016 para projetar cenários para as avaliações de vida em 2050.

Os resultados mostram que mudanças futuras em variáveis materiais provavelmente produzirão melhorias modestas nas avaliações globais de vida - um aumento de zero a 10% acima dos níveis atuais.

Por outro lado, os cenários baseados em variáveis não materiais mostram uma ampla gama de possíveis resultados, de um aumento de 30% nas avaliações globais de bem-estar no cenário mais otimista, até uma queda de 35% no cenário mais pessimista de declínio social.

"Nossos resultados mostram que os maiores benefícios a serem potencialmente feitos nas próximas décadas, bem como as armadilhas mais perigosas a serem evitadas, residem no domínio do tecido social," concluem os pesquisadores.

A pesquisa foi publicada na revista Nature Communications.


Ver mais notícias sobre os temas:

Felicidade

Trabalho e Emprego

Qualidade de Vida

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2018 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.